Brasília – A seguradora Unibanco AIG Seguros & Previdência explicou nesta sexta-feira (28) que foi contra a criação de uma câmara de conciliação para tratar de indenizações a parentes de vítimas do acidente com o Airbus da TAM, ocorrido em julho último, por considerar que retardaria o andamento dos processos.

Em nota, a assessoria de imprensa da seguradora dá sua versão sobre informações contidas em reportagem publicada pela Agência Brasil há uma semana.

Leia a nota na íntegra:

Sobre texto intitulado "TAM diz que 32 acordos já foram fechados com parentes de vítimas de acidente", publicado pela Agência Brasil no dia 21 de dezembro, a Unibanco AIG Seguros & Previdência, seguradora da TAM, esclarece que a proposta de criação de uma Câmara de Conciliação para tratar das indenizações a parentes das vítimas foi considerada inapropriada pela seguradora porque retardaria o andamento das indenizações, devido à necessidade de treinamento de uma equipe e de instalação de uma estrutura para funcionamento da Câmara.

O acidente ocorreu há cinco meses e 2007 se encerra com 33 acordos selados, um resultado considerado referência no setor, dada a proporção trágica desse tipo de situação. Todos os acordos são homologados através de escritura pública ou em juízo. Além disso, tanto a seguradora quanto a empresa de aviação têm se colocado à disposição das autoridades competentes para auxílio, debate e participação nos critérios e parâmetros indenizatórios.

A participação da Defensoria Pública, Ministério Público e demais órgãos é bem-vinda e encorajada pela Unibanco AIG, mesmo quando essas pessoas não necessitam de assessoria jurídica gratuita. Os valores dessas indenizações e os nomes das pessoas que recebem os recursos são mantidos em sigilo não só pela cláusula de sigilo que consta dos termos, mas a pedido dos próprios familiares de vítimas, que temem pela sua segurança ao receber essas quantias.