Considerado morto desde o dia 20 de novembro do ano passado, o lavrador Sebastião Fidélis, de 43 anos, reapareceu no último sábado, para espanto de seus familiares e moradores do município de Campo do Meio, no Sul de Minas Gerais. O trabalhador rural, que possui uma sepultura com o seu nome no cemitério da cidade e atestado de óbito, terá agora de provar na Justiça que está vivo.

Familiares contam que Fidélis tinha o hábito de desaparecer periodicamente. Na última vez, ficou ausente por mais de oito meses. A família então suspeitou que ele estivesse morto. À sua procura, há cerca de dois meses, os familiares foram informados que ele estaria internado no Hospital São Vicente de Paulo, na cidade vizinha de Campo Gerais. Uma marca na cabeça e uma cicatriz no braço direito do paciente – sinais comuns também em Fidélis – serviram para reforçar a confusão.

A mulher do desaparecido, Nicéia, reconheceu o homem internado como seu marido um dia antes de ele morrer. O atestado de óbito indica que traumatismo craniano e pneumonia foram as causas da morte do desconhecido. Fidélis disse que esteve durante todo esse tempo em São Paulo e Campinas.