A Supervia, concessionária que opera os trens no Estado do Rio, informou nesta quarta-feira (12) que demitiu por justa causa os dois funcionários apontados como responsáveis pela colisão entre dois trens, no acidente que deixou oito mortos e 101 feridos em Austin, no Rio, no último dia 30. A empresa divulgou na segunda-feira laudo elaborado por uma comissão técnica, segundo o qual cinco erros sucessivos, cometidos pelo controlador Edson Assunção Filho, que trabalha no Centro Operacional, e pelo maquinista do trem de passageiros, Norival Ribeiro do Nascimento, foram a causa do choque.

Os erros do controlador, segundo o laudo, foram não impedir que o trem de passageiros saísse da estação de Comendador Soares, onde deveria esperar a manobra do trem de cargas que aconteceria na estação seguinte e não ter impedido que o trem de cargas fizesse a manobra, depois de ter visto o trem de passageiros sair da estação.

As falhas do maquinista, segundo a investigação da Supervia, foram viajar em alta velocidade (ele estava a 76 km/h, quando a velocidade máxima permitida é 60 km/h), ultrapassar um sinal amarelo e outro vermelho. Demitidos por justa causa, eles não têm direito de receber FGTS, aviso prévio e multa de 40%. O delegado Fábio Pacífico, que apura criminalmente o acidente, ainda não concluiu o inquérito. Ele diz ainda ter dúvidas sobre a responsabilidade da colisão e quer saber se os funcionários trabalham sob estresse, como acusa o Sindicato dos Ferroviários. A Supervia informou ainda que já concluiu seis acordos de indenizações, sendo um com vítima fatal e cinco acidentados.