Agência Brasil
Agência Brasil

Gilberto de Carvalho e Efraim Morais: esclarecer a morte do prefeito petista.

Brasília – A Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga as atividades das casas de bingo (CPI dos Bingos) aprovou ontem o requerimento para uma acareação de Bruno Daniel Filho e Francisco Daniel, com o chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho. Bruno e Francisco são irmãos do prefeito assassinado de Santo André, Celso Daniel, morto em fevereiro de 2002.

Também foi aprovada a convocação para depor de Bruno Daniel Filho, do ex-secretário geral do PT, Silvio Pereira, e do juiz João Carlos Rocha Mattos, preso desde 2002. Nas últimas semanas, Rocha Mattos tem dito ter informações sobre o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, em 2002. O juiz teve em seu poder escutas telefônicas feitas nos meses seguintes ao crime que, segundo ele, comprometem o chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho. O juiz diz que fitas que não foram consideradas provas no processo mostram que Carvalho orientava depoimentos de testemunhas do caso e mostrava preocupação com as buscas feitas pela Polícia Federal no apartamento de Celso Daniel logo após sua morte.

O deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) prestou depoimento ontem. Ele foi designado pelo PT para acompanhar como advogado o inquérito policial que concluiu que a morte de Celso Daniel não foi crime político nem administrativo, mas seqüestro ou extorsão seguido de morte.

Greenhalgh disse que, no início, ele também acreditou que poderia haver motivação política no assassinato do prefeito  Celso Daniel, morto em janeiro de 2002. Mas acompanhou de perto a investigação e durante esse trabalho ficou convencido de que se tratou de um crime comum.

Greenhalgh disse que pode vir a reconsiderar sua posição novamente, caso ?existam novas provas?. ?Eu não tenho compromisso com o erro, mas com a verdade?, afirmou. Ele relatou à CPI dos Bingos que foi incumbido de acompanhar o caso pelo então candidato à presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva. ?Acompanhei até a conclusão do inquérito e de sua definição como crime comum.? Greenhalgh sugeriu que a CPI convoque os delegados Rui Ferraz Fontes, Ali Antonio Requiel e Edson Santos. Eles trabalharam no caso Celso Daniel, e, na opinião de Greenhalgh, podem ajudar a entendê-lo.

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, senador Efraim Morais (PFL-RN) afirmou que a acareação entre Waldomiro Diniz, Carlos Augusto Ramos (o Carlinhos Cachoeira), Rogério Buratti, Enrico Gianelli, e Marcelo Rovai, todos envolvidos no episódio da renovação do contrato entre a Caixa Econômica Federal e a Multinacional Gtech marcada para hoje, vai ser decisiva. ?Vamos buscar a verdade amanhã (hoje), se todos fizeram depoimentos e houve contradições, cabe agora à CPI buscar a verdade?, disse.

Para Efraim, já existem fatos que comprovam a existência de irregularidade na renovação do contrato entre a CEF e a multinacional dona do monopólio dos sistemas lotéricos do País. ?O relator está se aprofundando nesse sentido e acredito que no seu relatório vá demonstrar fatos que caracterizaram os desvios de recursos entre a Gtech e a Caixa Econômica.?

Convocação de Carvalho deixa Lula irritado

Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou ontem a atuação da CPI dos Bingos, que aprovou a acareação entre João Francisco e Bruno Daniel, irmãos do prefeito de Santo André Celso Daniel, assassinado em 2002, e o chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho: ?Estou esperando a CPI dos Bingos chamar um bingueiro?, respondeu Lula a pergunta sobre a acareação.

O presidente disse ainda que os jornalistas deveriam perguntar aos senadores e deputados se a CPI dos Bingos perdeu o foco das investigações. Nesse momento, a entrevista informal foi interrompida por um assessor do presidente, que pediu aos jornalistas que parassem de fazer perguntas. Lula aguardava o presidente de Cabo Verde, Pedro Pires, na entrada do Itamaraty para almoço.

Presidente da CPI dos Bingos responde a críticas de Lula.

O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Morais (PFL-PB), respondeu ontem mesmo à afirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que a comissão teria perdido o rumo. O pefelista disse que a CPI está na rota certa e que age com independência, apesar de ter entrado na pauta investigação de casos que não têm relação com os bingos. ?Não estamos fora da rota nenhum minuto. Essa CPI pode até ir ao fim do mundo, mas até lá vai buscar a verdade?, disse o senador, em referência ao apelido dado à comissão de a ?CPI do fim do mundo?.

Em São Paulo, o deputado José Dirceu (PT-SP) também criticou as CPIs que estão em curso no Congresso. O ex-ministro da Casa Civil disse que as comissões perderam o foco, desviando os rumos, na medida em que ampliaram as investigações até para a máfia do apito. Dirceu disse que se há alguma irregularidade nos bingos, os governadores também precisam responder.

?A CPI dos Bingos não está investigando nada, que é um grande problema no Brasil e que atinge os governadores. O governo federal proibiu o bingo, fez uma MP que o Senado derrotou. Os governadores, os governos estaduais, é que são responsáveis pelos bingos. Se há alguma irregularidade, eles é que têm de responder. São eles que autorizam?, afirmou o deputado, em entrevista para a rádio BandNews.

O ex-ministro voltou a negar ser o chefe do mensalão e garante que é inocente. ?Sou acusado de ser o chefe do mensalão, que nem é provado que existe. As CPIs não terminaram. Elas não têm relatórios. Fizeram relatório parcial com material de jornal e denúncias do Roberto Jefferson, como se fosse prova material, o que é um absurdo. As denúncias realmente de corrupção de órgãos públicos, de superfaturamento, ou que os recursos não vieram dos empréstimos do Banco Rural ou do BMG ou do exterior. Nada disso está provado. Hoje o noticiário em geral é crise das CPIs, porque elas se desviaram, abriram o foco. Convidam o Toninho da Barcelona para depor, o irmão do Celso Daniel para depor, abrem o foco para a máfia do apito?, disse.