Brasília – O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Sistema Carcerário, deputado Domingos Dutra (PT-MA), viaja amanhã (3) para Rio Piracicaba (MG) para acompanhar o caso do incêndio na cadeia pública do município mineiro, que resultou na morte de oito presos.

"A CPI está em recesso, por conta do Congresso. Mas eu vou amanhã para Rio Piracicaba. Vamos lá, pelo menos para ouvir, levantar nomes, tirar fotografias e ter uma percepção melhor dessa nova tragédia com oito brasileiros", afirmou Dutra em entrevista à Agência Brasil. Acompanharão o relator os deputados Alexandre Silveira (PPS-MG) e Maria Lúcia Cardoso (PSDB-MG), que também integram a CPI.

O incêndio ocorreu ontem (1º) por volta de 20h. Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, o fogo se alastrou rapidamente e não houve tempo de abrir a porta da cela 1 da cadeia pública, onde estavam os oito presos que morreram. O carcereiro não estava na prisão quando o incêndio começou. Quando chegou, conseguiu abrir três das quatro celas. Foi aberto um buraco na parede para tentar socorrer os presos, mas eles já estavam mortos no banheiro da cela 1.  

"Há um descaso completo das autoridades. Primeiro, que preso não pode estar à disposição de prefeitura. Não pode um carceireiro pago pelo município, sem preparo, sem condição intelectual nenhuma, cuidar de preso. A gente não pode nem responsabilizar o carceireiro porque ele não tem preparo, ele não é formado para cuidar de preso. Além disso, não é culpa dele se a estrutura física da delegacia é inadequada", avaliou o relator.

O deputado Domingos Dutra lembrou que esse não é o primeiro caso de morte de presos em cadeias de Minas Gerais. Em agosto de 2007, 25 presos morreram carbonizados em uma cela na cadeia pública do município mineiro de Ponte Nova. Segundo a CPI do Sistema Carcerário, de janeiro a abril de 2007, 651 presos foram mortos em penitenciárias, detenções, delegaciais de polícia e outros tipos de prisões.