Foto: Arquivo/O Estado

 Deputado José Eduardo Cardozo vai propor indiciamentos.

Chegou a vez dos tucanos na CPMI dos Correios. Relatório parcial do sub-relator de contratos da comissão, deputado José Eduardo Cardozso (PT-SP), vai propor o indiciamento dos ex-presidentes e ex-diretores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) desde 2000. Esta é a primeira vez que a CPMI dos Correios faz relatório parcial, – apresentado hoje -, que atinge integrantes do governo de Fernando Henrique Cardoso. Na quinta-feira, será a vez do senador Eduardo Azeredo (MG), ex-presidente do PSDB, ver seu nome incluído no relatório parcial de movimentação financeira das contas do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza.

Valério fez empréstimo para financiar a campanha à reeleição, em 1998, do então governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo. Apresentado há dez dias, o relatório parcial vai ser alterado para pôr o depoimento de Cláudio Mourão, que foi tesoureiro da campanha de Azeredo, em 1998. Em depoimento à CPMI dos Correios, Mourão admitiu que fez caixa 2 na campanha à reeleição do governador, sem o conhecimento do tucano.

No relatório original, o sub-relator Gustavo Fruet (PSDB-PR) não mencionou o episódio de Azeredo. O governo detém, no entanto, maioria na CPMI dos Correios e a inclusão do tucano é a maneira encontrada para facilitar a aprovação, na quinta-feira, do relatório parcial de Fruet, que considerou ?uma farsa? os R$ 55 milhões de empréstimos junto ao BMG e ao Banco Rural obtidos pelas empresas de Valério para financiar o PT e partidos aliados.

Hoje, Cardozo também vai propor no relatório parcial o indiciamento dos donos da Skymaster, uma das empresas responsáveis pela Rede Postal Noturna (RPN) dos Correios. ?A parte mais tortuosa dos contratos da Skymaster com os Correios começou no governo Fernando Henrique?, afirmou ontem o relator da CPMI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR). De acordo com as investigações da comissão, a companhia aérea teria enviado cerca de R$ 60 milhões para o exterior através de contratos simulados de arrendamento de aviões com duas empresas das Ilhas Virgens Britânicas.