Rio

– Campanhas salariais voltadas para a retomada do poder aquisitivo dos trabalhadores e redução da jornada serão as principais bandeiras da Central Única dos Trabalhadores (CUT) para o ano que vem. As prioridades da central foram divulgadas pela direção nacional da entidade. Outro pleito para 2004 será a formação de frentes de trabalho de emergência que possam gerar, pelo menos, um milhão de empregos ao longo do ano em todo o País. A CUT também vai insistir na votação de uma reforma sindical que garanta um sistema democrático de relações de trabalho. “O que defendemos é a velocidade do crescimento e para isso precisamos de medidas emergenciais”, afirmou o presidente da CUT, Luiz Marinho.