São Paulo – Foi decretada pelo Tribunal de Justiça (TJ) paulista a prisão temporária do segundo suspeito de envolvimento na tortura e morte de uma família de origem japonesa no último fim de semana em São Paulo. Identificado como Celso Alencar dos Santos, ele permanece foragido.

A prisão foi solicitada na quinta-feira pelo juiz Evandro Takeshi Kato, do Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária (Dipo), mas a decisão foi confirmada pelo TJ somente ontem.

O outro suspeito preso é o vigilante Ricardo Francisco dos Santos, 26. Ele foi localizado na última terça-feira e confessou o crime, segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Em depoimento, Ricardo apontou o nome do suposto comparsa e revelou detalhes da chacina. Afirmou ter imobilizado e agredido algumas das vítimas, mas atribuiu as torturas e os assassinatos a Celso.

O delegado Luís Fernando Lopes Teixeira disse não acreditar na existência de outros dois comparsas, que seriam amigos de Celso e teriam ficado o tempo inteiro da ação em um Palio, na rua.

Ainda de acordo com a polícia, o preso disse ter sabido por meio do amigo Nilton Takashi, 26, uma das vítimas, que uma quantia em dólares chegaria à casa no sábado. Somente um bebê de 11 meses e seu pai, de 29 anos, sobreviveram à chacina.