Os advogados do goleiro Bruno Fernandes disseram que ele ficou muito decepcionado com as acusações de seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, feitas em plenário na madrugada de hoje. Ambos são acusados da morte e desaparecimento de Elizia Samudio, em junho de 2010.

“Ele ficou bastante chateado, um pouco decepcionado, mais pela amizade que os dois mantém. Mas ele está bastante confiante na inocência dele, está confiante na verdade, é isso que nós estamos buscando”, disse Tiago Lenoir.

“Agora, em termos processuais, que isso vai refletir no julgamento do Bruno, isso será analisado posteriormente”, complementou. O julgamento do Bruno acontece no dia 4 de março. O jogador e Macarrão deveriam estar sendo julgados juntos, mas houve mudanças dos advogados do goleiro durante o processo e isso provocou o desmembramento do caso.

Já na manhã de ontem, os três advogados de Bruno se reuniram com o réu na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo os defensores, eles foram passar um “voto de companheirismo”, para tranquilizá-lo.

Macarrão foi ouvido durante a madrugada no plenário. Nas duas horas e 40 minutos de interrogatório, ele incriminou Bruno pelo desaparecimento e morte de Eliza.

Macarrão afirmou que o goleiro havia pedido que ele levasse Eliza até um ponto próximo da Toca da Raposa – centro de treinamento do Cruzeiro na Pampulha, em Belo Horizonte – onde um homem a estaria esperando. “Eu estava pressentindo que ela iria morrer.”