O deputado estadual do Amazonas, Wanderley Dallas (PMDB), apresentou um projeto polêmico. Ele propõe transformar palavras como “piroca”, “cabaço”, “baitola”, “pinguelo” e “xibiu” em patrimônio imaterial do Estado.

Apesar de fazer parte da bancada evangélica, Dallas vasculhou termos encontrados no livro “Amazonês”, de Sérgio Freire, para compor seu projeto de lei. Logicamente, a proposta foi criticada pelos colegas, e o deputado retirou os palavrões do texto. “É um grupo de deputados que se constrange com a palavra ‘cabaço’, mas usa de boca cheia em qualquer local”, disse ele ao jornal Folha de S. Paulo.

Para alguns deputados, Dallas desvirtuou a ideia de patrimônio cultural.  Um dos colegas do peemedebista afirmou que essa é uma estratégia de marketing, para alardear que foram apresentados inúmeros projetos, ou seja, uma forma de mostrar serviço. “Aí depois põe um outdoor dizendo que é o que mais apresentou projeto”, disse Orlando Cidade (PTN).