Brasília – Os líderes partidários decidiram em reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia, votar ainda nesta terça-feira (6) as cinco medidas provisórias que trancam a pauta da Casa. Entre as MPs, estão três que revogaram outras medidas provisórias para liberar a pauta e votar a proposta de emenda à Constituição que prorroga a cobrança da CPMF.

Segundo o líder do governo na Câmara, deputado José Múcio (PTB-PE), liberada a pauta os deputados iniciam a votação da PEC que estabelece novas regras sobre a composição das Câmaras de Vereadores, com distribuição proporcional ao número de eleitores de cada município.

Além dessa proposta, os líderes acertaram retomar votação da reforma política, da Defensoria Pública e a PEC que acaba com as votações secretas nos três níveis do Legislativo (federal, estaduais e municipais).

O presidente da Câmara informou que antes de colocar em votação a PEC do voto secreto, vai conversar com o presidente interino do Senado, Tião Viana, para tentar um texto único das duas Casas. "Vamos tentar um texto comum com o Senado. Se não for possível, vamos votar em segundo turno o texto da Câmara, que conta com apoio da maioria dos parlamentares", disse.

O líder do DEM na Câmara, Onyx Lorenzoni (RS), disse que a oposição aceita votar as MPs hoje, mas vai discutir o mérito das propostas. Lorenzoni informou que a idéia é desobstruir a pauta para na próxima semana os líderes apresentarem propostas de suas bancadas para serem votadas pela Câmara.

"Vamos apresenta quatro ou cinco projetos de deputados por para votar alguma coisa do Legislativo. Há meses estamos votando só projetos do governo e nada do Congresso. Vamos trabalhar para votar nesse final de ano projetos de autoria de deputados", disse.