Maceió – Os desembargadores de Alagoas reajustaram seus próprios salários, a partir da folha de junho, mas retroativo a janeiro deste ano. Com isso, o teto salarial dos desembargadores alagoanos passa de R$ 11 mil para R$ 17.200,00 (sem contar as vantagens adquiridas) a partir deste mês, mas como o reajuste é retroativo ao início do ano, cada desembargador terá um contracheque extra de R$ 31 mil, agora em junho.

Os subsídios retroativos vão custar um desembolso extra de mais de R$ 341 mil nos cofres do Judiciário, só com o aumento dos 11 desembargadores alagoanos. Atualmente, o Poder Judiciário alagoano recebe por mês um duodécimo de R$ 9,5 milhões. O pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas aplicou o percentual de 90,25% do teto dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), reajustado em fevereiro deste ano em R$ 19.115,19.

Também foram reajustados os salários dos 117 juízes da ativa, além dos vencimentos dos aposentados e pensionistas. Para os juízes de 3.ª entrância, a remuneração ficou 10% abaixo do teto dos desembargadores, chegando a R$ 15.483,00. Para os de 2.ª entrância, 10% a menos que os da 3.ª entrância: R$ 13.935,00. No caso da 1.ª entrância, com desconto de 10% sobre a remuneração do magistrado de 2.ª entrância, chega-se a R$ 12.542,00