A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou, em nota, que sua diretora Denise Abreu vai processar o brigadeiro José Carlos Pereira, ex-presidente da Infraero, por acusação caluniosa. Ele afirmou, em entrevista ao jornal "O Globo" desta segunda-feira (6) que Denise tentou tirar da empresa o controle do setor de cargas dos aeroportos de Congonhas e de Viracopos para beneficiar amigos, em Ribeirão Preto. "A Denise é terrível. Se eu não estivesse saindo da Infraero, ia comprar uma grande briga com ela", disse José Carlos.

De acordo com a nota da Anac, Denise não pretende bater boca com o brigadeiro por intermédio da imprensa. "A diretora Denise Abreu não pretende discutir pela mídia as acusações caluniosas do ex-presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, demitido de suas funções hoje. A diretora já constituiu advogado para tratar da questão nos tribunais competentes".

Ainda conforma a nota, o Aeroporto de Ribeirão Preto opera vôos regulares de passageiros e é impossível transferir operações de cargueiros para lá, no momento, pois ele não detém infra-estrutura para esse tipo de operação. Na nota, no entanto, a Anac informa que no futuro existe a possibilidade de o Aeroporto de Ribeiro Preto receber o setor de cargas. "O Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), em cumprimento à lei que criou a agência, encaminhou à autarquia o Plano Diretor Aeroportuário para análise e aprovação. Neste plano, do Governo do Estado de São Paulo, estava prevista a construção de um terminal de carga no Aeroporto de Ribeirão Preto e necessidade de ampliação da pista para 3.500 metros para a viabilização da operação de cargueiros".

A nota informa ainda que na Anac a Superintendência de Infra-Estrutura Aeroportuária submeteu à diretoria da agência uma nota técnica (nº 055/SIE/GGIT/2007), que tratou da configuração final do Aeroporto de Ribeirão Preto e as curvas de ruído de nível 1 e 2, além de destacar a necessidade de adequação do Plano elaborado pelo Daesp, impondo limitações especialmente a respeito de cargas e tipos de aeronaves cargueiras. "Quanto às fases de implantação (do setor de cargas) estas deverão ainda obedecer aos impactos de ruído", informa a nota. "O governo do Estado de São Paulo, por intermédio do Daesp já encaminhou a proposta de revisão do Plano Diretor do Aeroporto de Ribeirão que, após análise técnica, será submetida à diretoria colegiada da Anac para apreciação. Ou seja, nem mesmo o Plano Diretor foi, até a presente data, aprovado pela Anac".

Por fim, diz a nota, "cabe ressaltar que, ao contrário do que foi divulgado, não existe nenhum tipo de ligação do empresário vencedor da licitação com a Anac. Ressalte-se que a referida licitação foi feita, em 2003, pelo Daesp, órgão do Governo do Estado de São Paulo, que visa futura construção de um terminal de cargas em Ribeirão Preto".