O deputado Efraim Filho indicou nesta terça-feira (21), durante o depoimento à CPI da crise aérea na Câmara do sargento Carlos Trifilio, que em 2002 o número de aeronaves monitoradas pelos controladores era maior do que em 2006. E perguntou ao sargento Trifilio sobre qual seria o real motivo para a crise aérea. "O horário de pico tem maior concentração de vôos e está acima do que seria seguro e a falta de gerenciamentos de pousos e decolagens está causando esse caos", afirmou Trifilio, que é presidente da Federação das Associações Brasileiras de Controladores de Tráfego Aéreo (Febracta).

Para o deputado Miguel Martini, todos os que estão envolvidos no sistema aéreo sofrem com a falta de investimento, o que não poderia deixar de acontecer com a Força Aérea e por isso resta à CPI identificar quais foram esses fatores e caminhar na busca da solução. "A FAB é competente para fazer seu trabalho, mas o foco central da FAB é a defesa aérea, e os controladores de vôo deveriam ser civis", completa. "Controlador de vôo tem que ter autonomia e essas verdades precisam ser ditas. Estamos a favor do melhor", justifica.