Em julgamento que durou mais de 19 horas e terminou nesta madrugada, no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, foi condenada a 58 anos de prisão, em regime fechado, a empregada doméstica Adriana de Jesus Santos, de 24 anos, acusada de matar, em 9 dezembro de 2004, na capital federal, a estudante Maria Claudia Siqueira Del’Isola, que tinha 19 anos. A acusação conseguiu convencer o júri de que a empregada participou diretamente do crime. As 250 pessoas que lotaram o plenário do júri ouviram o veredicto que foi lido pelo juiz João Egmont Leôncio Lopes. A ré foi acusada de homicídio triplamente qualificado, atentado violento do pudor, estupro e ocultação de cadáver. À decisão do júri cabe recurso.