Araraquara – Dono das Usinas Santa Rita, em Santa Rita do Passa Quatro, no interior de São Paulo e Maringá (PR), o empresário Nelson Afif Cury, de 53 anos, foi preso no início da noite de quinta-feira, pela Polícia Federal (PF) de Araraquara (SP), acusado de fraudar o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em pelo menos R$ 69 milhões – esse valor pode chegar a R$ 300 milhões, envolvendo as duas unidades da empresa. Cury foi surpreendido ao pedir uma audiência na Justiça sobre outro caso, e não sabia que o juiz federal Paulo Ricardo Arena Filho, de Araraquara, havia decretado a prisão preventiva dele no dia anterior.

Logo após ser detido, Cury teria passado mal e foi levado ao Hospital Beneficência Portuguesa, onde permanecia internado. Os advogados do empresário entraram com um pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça (TJ) para revogar a detenção. Cury é diabético e hipertenso. Apesar de ter sido submetido a atendimento médico, após sair da cadeia pública, policiais permaneciam na escolta dele no hospital. O delegado Cláudio Cavallaro, da PF de Araraquara, cumpriu o mandado de prisão, após o juiz ter aceito o pedido do procurador da República Osvaldo Capelari, na terça-feira.

Capelari alegou que o empresário cometeu duas vezes o crime do colarinho branco (contra instituições financeiras federais) em dois financiamentos, usando ainda nove vezes documentos falsos (certidões nacional de débito e de quitações de tributos federais), além de ter praticado estelionato contra a Cooperativa dos Cafeicultores e Citricultores de São Paulo – oferecendo terras da usina de Maringá como garantia de uma hipoteca, mas não podia fazer isso, pois a área tinha sido penhorada pelo INSS. “Ninguém esperava que ele (Cury) aparecesse no prédio da Justiça Federal e fosse preso tão rápido, pois prevíamos dificuldades para isso, já que, até para intimá-lo, era uma tarefa complicada”, disse o procurador da República.