Vitória

– O Espírito Santo ganhou mais uma providência no combate ao crime organizado: os “juízes sem rosto”. Oito magistrados iniciam nesta segunda-feira suas atividades na Quinta Vara de Execuções Penais e na Central de Inquéritos da Justiça capixaba. A decisão foi do presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, desembargador Alemer Moulin, que anteontem fez as designações. Os “juízes sem rosto”, nos moldes do padrão da justiça italiana durante a Operação Mãos Limpas, terão seus nomes mantidos em sigilo, por segurança. Quatro deles já são titulares de outras Varas Criminais e três deles estarão substituindo o juiz Alexandre Martins de Castro Filho, assassinado no mês passado na Praia de Itapoã, em Vila Velha.

Os outros quatro são juízes substitutos que terão suas missões estendidas para todo o Estado sempre que a Missão Especial Federal necessitar de auxílio do Judiciário no combate ao crime organizado no Espírito Santo. O desembargador Alemer Moulin fez questão de registrar que a designação de um número maior de magistrados é devido ao trabalho de grande atuação que, principalmente a Vara Especial da Central de Inquéritos, ganhou com a chegada da Missão Especial ao Espírito Santo.