Polícia paulista prende estudante durante
repressão a uma manifestação contra a
política econômica do governo Lula.

Brasília – Estudantes de várias regiões do País saíram ontem às ruas em várias cidades brasileiras para pedir ampla reforma no ensino superior e mudanças imediatas na política econômica do governo. Em Brasília, a manifestação reuniu representantes da União Nacional dos estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) na Esplanada dos Ministérios. Também houve protestos em São Paulo e Belo Horizonte.

O diretor da UNE em Brasília, Evandro Cerqueira, disse que a entidade apóia o governo Lula, mas exige mudanças já. Os estudantes querem que a reforma universitária garanta uma reserva de 50% das vagas nas universidades para a escola pública, a regulamentação do ensino superior privado, a ampliação de vagas e o financiamento para as universidades públicas, além do passe estudantil.

Depois das ruas, a manifestação chegou ao gabinete do ministro da Educação, Tarso Genro. Simpatizante do movimento, Genro lembrou de sua prisão como militante estudantil, durante plenária da UNE, em 1966, em Juiz de fora, Minas Gerais. Sobre o atual modelo de desenvolvimento criticado pelos estudantes, o ministro explicou que as mudanças econômicas fazem parte do projeto do governo e visam a elevar a taxa de crescimento econômico, com inclusão social e geração de emprego. A Jornada de Lutas da UNE e da Ubes pela Reforma Universitária e pela Nova Escola têm manifestações hoje no Rio e Cuiabá, em Mato Grosso.