Após passar a noite estudando, Dominique Mantuano, de 19 anos, perdeu a hora para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2013. A estudante chegou atrasada à Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), um dos locais do teste no Rio de Janeiro.

Dominique contou que ficou até as 7 horas deste sábado (26) acordada estudando. Ao dormir, programou o celular para despertá-la às 11 horas, mas não ouviu o aparelho tocar e só acordou ao meio-dia. Moradora do Méier, na zona norte do Rio, ela foi de ônibus até a Uerj, mas chegou lá segundos após o fechamento dos portões, às 13 horas.

“Como trabalho durante o dia, só podia estudar à noite. Por isso, fiquei acordada durante a madrugada”, contou ela, que pretendia cursar a faculdade de Letras na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Dominique já havia feito o exame no ano passado, mas desistiu do curso de Pedagogia.

Neste sábado (26), foram aplicadas 90 questões de múltipla escolha, nas áreas de Ciências Humanas e suas Tecnologias (45) e de Ciências da Natureza e suas Tecnologias (45). O tempo máximo de prova era de 4 horas e meia e os candidatos só poderiam deixar os locais de exame após duas horas (a partir das 15 horas, portanto).

Na Uerj, três candidatos deixaram a sala antes desse prazo e foram eliminados. O edital que regulamenta o Enem elenca entre as situações que acarretam eliminação entregar a prova antes de completadas duas horas. Segundo o Ministério da Educação, o aplicador costuma alertar sobre o tempo mínimo da prova, mas, ainda que não faça isso, a situação deve ser conhecida pelo candidato, que tem a obrigação de ler o edital.

Alex da Costa, de 33 anos, foi o primeiro a deixar a Uerj após o prazo legal de duas horas de prova. “Terminei praticamente na hora em que se completou o prazo mínimo”, contou. Costa tenta cursar Administração. Caroline Pacheco, de 20 anos, também saiu logo depois de completadas duas horas. “Deixaram claro que não podíamos entregar antes”, afirmou.