A ex-advogada Jorgina de Freitas, condenada a 14 anos de prisão por desviar cerca de R$ 1,2 bilhão do INSS nos anos 90, saiu da prisão ontem à tarde depois de cumprir a totalidade da pena. Desde 2007, ela usufruía do regime semiaberto. Jorgina estava presa na penitenciária Oscar Stevenson, em Benfica, na zona norte do Rio. Em maio, a Advocacia Geral da União conseguiu na Justiça que Jorgina fosse obrigada a ressarcir aos cofres da Previdência R$ 200 milhões. Por isso, 57 imóveis em nome dela serão leiloados.