O brigadeiro José Carlos Pereira disse que muitos dos problemas no setor aéreo do País têm relação com falhas éticas e morais. "Talvez a origem de muitas coisas que temos passado nos últimos meses tenha a ver com questões éticas e morais, como leis e regras que deixam de ser cumpridas à risca", disse. A declaração foi feita nesta terça-feira (7), no Ministério da Defesa, em solenidade de transmissão do cargo de presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) pelo brigadeiro ao engenheiro Sérgio Gaudenzi.

Ao transmitir o cargo a Gaudenzi, o brigadeiro se colocou à disposição da Infraero e do ministro da Defesa, Nelson Jobim, para ajudar no que for possível na solução da crise. "Onde quer que eu esteja, estarei sempre à disposição e, ao primeiro sinal de alerta, estarei presente", comunicou.

Gaudenzi afirmou que o País não pode prescindir de um sistema aéreo eficaz. Ele disse que pretende trabalhar em conjunto com a Aeronáutica e com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para solucionar os problemas no setor aéreo. "Sempre trabalho em equipe e gosto de ouvir. Não acredito em sucesso individual", afirmou o novo presidente da Infraero.