O líder do PT na Câmara, Luiz Sérgio (RJ) afirmou que a falta de consenso entre os partidos da própria base do governo levou a reforma política para o "beleléu". A votação foi adiada para agosto, por decisão do Conselho Político, que se reuniu no Palácio do Planalto, com os ministros das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia, e do Planejamento, Paulo Bernardo.

Na avaliação de Luiz Sérgio, que participou da reunião do Conselho,na discussão da reforma política prevaleceu a vontade individual dos deputados acima dos interesses coletivos o que impediu que a reforma avançasse. Luiz Sérgio considerou que o atual Congresso Nacional dificilmente dará passos importantes na reforma política e previu que no máximo será votada a questão da fidelidade partidária, porque ela atinge também vereadores, que pressionam para que haja uma definição sobre o tema, antes das eleições do próximo ano.

"Pensávamos que sairíamos da reforma em uma Mercedes. Com a discussão já aceitávamos um fusquinha. Mas chegamos à conclusão que se trata de uma bicicleta com pneu furado. Ou seja, vamos ficar na mesma", comparou.