A Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica (Febrafarma) divulgou nota de esclarecimento alegando que o atraso no reajuste e na divulgação da tabela de preços máximos dos medicamentos ao consumidor, referente a junho, "não configura desrespeito ao regime de controle de preços". A entidade considera que o atraso poderia levar à suposição de que os preços dos remédios teriam subido acima dos índices autorizados pelo governo.

A tabela de preços máximos ao consumidor relaciona 160 medicamentos e é divulgada com antecedência a fim de ser publicada em revistas especializadas e para distribuição ao varejo, como determina a legislação. Farmácias e drogarias devem manter a tabela à disposição dos consumidores e órgãos de defesa do consumidor.

Ainda na nota de esclarecimento, a Febrafarma informa que duas apresentações de medicamentos tiveram seus preços corrigidos, por terem sido publicados com erro nos meses de abril e maio. Trata-se do medicamento Resfriol, do laboratório Vitapan, e o medicamento Cloridrato de ambroxol, do laboratório Prati. Em ambos os casos, os reajustes estão de acordo com os índices autorizados pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), em vigor desde 31 de março de 2007.