Brasília – Depois de participar nesta sexta-feira (5) de cerimônia que dá início à incorporação do Banco Estadual de Santa Catarina (Besc) pelo Banco do Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que considera positiva a fidelidade partidária.

Segundo o presidente, às vezes, não é apenas o político que muda, mas o partido. "Nesses casos,  tem partidos que mudam até de nome. Portanto, os deputados não são obrigados a ficar num partido que tem o nome diferenciado", disse, em Florianópolis.

Ontem (4), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os mandatos políticos pertencem aos partidos políticos, e não aos eleitos, o que significa concordar com a fidelidade partidária. Foram oito votos a favor e três contra, em sessão que analisou mandados de segurança do Partido Popular Socialista (PPS), do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e dos Democratas (DEM).

"Acho positiva a fidelidade partidária. É uma coisa importante até para a própria eleição e os partidos políticos. É muito importante. Agora, essas coisas você não pode mexer no meio do caminho. Você precisa construir com as pessoas sendo candidatas, sabendo que as regras são essas e que, portanto, não podem mudar".

Questionado se irá se licenciar da Presidência para apoiar a campanha de seu candidato em 2010, como a imprensa noticiou, o presidente respondeu que ainda não pensa nas próximas eleições. "Estou pensando no Brasil, estou pensando em governar este país até 31 de dezembro [de 2009]. Quando chegar 2010, ainda falta muito tempo, três anos ainda, é que eu vou pensar em 2010".