Rio – Os dois filhos mais velhos do executivo da Shell Todd Staheli, 39, e de sua mulher, Michelle, 36, foram ouvidos pela Justiça do Rio ontem. Os depoimentos duraram cerca de duas horas. Staheli e Michelle foram atacados no último domingo, enquanto dormiam. O executivo não resistiu aos ferimentos e morreu no mesmo dia. Michelle ficou internada em coma profundo e morreu anteontem, no hospital Copa D?Or. O filho de 10 anos do casal foi o primeiro a depor. A filha mais velha, de 13 anos, disse que foi ela quem abriu a porta para um casal americano, no domingo. O portão estaria destrancado. Ela afirmou ainda que na véspera do crime a mãe havia sentido falta de uma flauta, no valor de US$ 200. A garota disse também que tem um namorado de 14 anos. O garoto, que seria americano, mora no Brasil. Os dois agentes do FBI (a polícia federal americana) que estão no Rio para acompanhar as investigações sobre o crime foram impedidos de presenciar os depoimentos dos filhos mais velhos do casal. Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli também foram impedidos de participar dos depoimentos. Eles compareceram ao prédio do Tribunal de Justiça, no centro do Rio, levando um objeto pontiagudo, embrulhado em um saco preto. Não revelaram à imprensa, porém, se seria a arma usada no crime. Além da juíza, apenas promotores e advogados das testemunhas acompanharam os depoimentos.