O empresário Flávio Maluf, filho do ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf (PP-SP), quitou uma dívida de R$ 868 mil com a ex-mulher Jaqueline Lourdes Coutinho Torres, referente ao não-pagamento de pensão aos filhos e a ela. Foi a saída encontrada por Flávio para evitar a prisão, decretada no fim de novembro pelo Fórum de Pinheiros, zona oeste de São Paulo.

Na época, ele devia três meses de pensão – fixada em R$ 217 mil pela Justiça paulista em junho, com base no patrimônio declarado da família Maluf, de R$ 75 milhões. No mesmo dia em que a prisão preventiva foi decretada, sua advogada, Gladys Maluf Chamma, conseguiu um salvo-conduto no Superior Tribunal de Justiça (STJ) que garantia a liberdade preventiva de Flávio. O relator do caso, ministro Humberto Gomes de Barros, pedira na ocasião a manifestação do Ministério Público Federal (MPF) antes de emitir seu parecer, definido só na quinta: o salvo-conduto estava revogado e voltava a vigorar a ordem de prisão.

"Foi uma decisão jurídica, dentro da legalidade", disse o defensor de Jaqueline, Dilermando Cigagna Junior. "A ilegalidade é não pagar a pensão", prosseguiu o advogado.