O incêndio no galpão de fertilizantes em São Francisco do Sul, que gerou uma densa nuvem de fumaça, paralisa as atividades no Porto de São Francisco, principal canal para escoamento de grãos no Estado. O presidente do porto, Paulo Corso, afirmou que a baixa visibilidade é o principal motivo para a suspensão das atividades. Corso disse ainda ser difícil prever a normalização dos embarques e desembarques e que ainda é cedo para calcular os prejuízos para a atividade portuária com o incêndio.

O incêndio começou na noite de terça-feira em um galpão que armazenava 10 mil toneladas de fertilizante à base de nitrato de amônia, cuja oxidação produz uma fumaça densa. A Defesa Civil municipal estabeleceu um perímetro de segurança de 800 metros de raio a partir do incêndio, que não produz chamas.