Brasília – Cerca de 4 mil garimpeiros estão rebelados na cidade de Espigão d?Oeste, em Rondônia, em protesto contra um ataque de índios cinta-larga a um garimpo clandestino em que eles trabalhavam, no interior da reserva indígena Roosevelt. Os garimpeiros capturaram um índio cinta-larga que estava nas proximidades da cidade e o amarraram em uma árvore na praça central. Armados de paus e foices, eles ameaçavam matar o índio, que já foi agredido. Uma equipe da Polícia Federal assumiu as negociações com os garimpeiros em Espigão d?Oeste, para que libertem o índio.

“Nós já iniciamos conversações com os líderes dos garimpeiros e, neste primeiro momento, estamos tentando fazer com que não maltratem o índio. O segundo passo é tentar que eles o libertem”, disse por telefone o superintendente da PF em Rondônia, delegado Marco Moura.

O delegado informou ainda que enviará mais policiais federais para a cidade nas próximas horas.O comandante do pelotão da Polícia Militar de Espigão d´Oeste, comandante Firmino, admitiu por telefone, que a PM local está impotente diante da situação. A cidade tem apenas 50 policiais militares, número pequeno frente aos garimpeiros.

A situação na região é tensa desde quarta-feira, quando um grupo de índios guerreiros cinta-larga atacou a tiros garimpeiros que extraíam diamante clandestinamente dentro da reserva Roosevelt, matando vários deles. A PF já encontrou pelo menos três corpos, mas os garimpeiros dizem que o número de mortos é bem maior.