Porto Príncipe – Numa cerimônia que durou pouco mais de duas horas e foi fechada ao público, o general brasileiro Augusto Heleno Ribeiro Pereira assumiu o comando da missão de estabilização da ONU para o Haiti (Minustah). Num discurso feito em três idiomas – francês, espanhol e português – ele elogiou os militares que participarão da operação e conclamou o povo haitiano a realizar um desarmamento físico, mas também de espírito: “Estamos aqui representando as Nações Unidas para trabalhar com vocês, numa completa integração de forças para ajudar na reconstrução do Haiti”.

A Força de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah, na sigla em francês) assumiu a responsabilidade pelas operações no país, em substituição à Força Multilateral Interina (MIF, na sigla em inglês) formada por Estados Unidos, Canadá, França e Chile, comandada pelo general norte-americano Ronald Coleman. Em uma cerimônia na Academia da Polícia Nacional, em Porto Príncipe, os soldados que ficarão sob o comando do general Augusto Heleno trocaram simbolicamente as boinas de seus exércitos nacionais pelas boinas azuis, que identificam as forças de paz.

Mas, como na prática o contingente da Minustah ainda não está no Haiti, a MIF vai continuar operando no país durante um mês. O mandato da ONU prevê a presença de cerca de 6,7 mil soldados e 1,2 mil policiais na força de paz, mas até agora há apenas pouco mais de 200 militares no país, a maioria brasileiros.

“Continua sendo uma preocupação a data de chegada destas tropas, porque já temos definida a data em que devem sair daqui as forças da MIF, entre 20 de junho e 1.º de julho. É importante que o nosso contingente já esteja aqui neste momento para que não haja um vazio de poder”, disse o general Heleno.