Brasília – O governo federal anunciou ontem mais um conjunto de medidas para acelerar a reforma agrária e pacificar o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), que realizam no País uma das maiores ondas de invasões de propriedades rurais. Entre as medidas, está a redução de 14 para 7 meses no tempo médio necessário para desapropriação de imóveis rurais, a duplicação do valor dos primeiros créditos para as famílias assentadas, o aumento de recursos diversos para implementação de obras de infra-estrutura nos assentamentos e a criação de novos benefícios. Com as medidas, publicadas no Diário Oficial da União de quarta-feira, o valor pago a cada família assentada que ocupar o seu lote, o chamado crédito instalação, subiu de R$ 7.700 para R$ 16.100, um aumento de 109%. Os recursos, a fundo perdido, serão utilizados na elaboração de projetos, construção de moradias, instalação de infra-estrutura e preservação ambiental. As mudanças promovidas pelo governo foram divulgadas quatro dias antes do dia D do chamado “abril vermelho”, deflagrado pelos sem-terra. No próximo sábado será lembrado o oitavo aniversário do massacre de Eldorado do Carajás, em que 19 sem-terra foram mortos pela polícia do Pará.