Representantes do governo terão novas reuniões com dirigentes das empresas aéreas para insistir com elas no acerto de detalhes de uma revisão da capacidade dos aeroportos e uma redistribuição dos horários dos vôos para se reduzir a concentração de pousos e decolagens nos horários de pico. As empresas, em reuniões realizadas anteriormente, rejeitaram a idéia de redistribuição dos horários. O objetivo da revisão é a de ajustar os vôos à capacidade dos aeroportos.

Segundo participantes da reunião que o ministro da Defesa, Waldir Pires, teve com os dirigentes dos principais órgãos do setor aeronáutico, o ministro afirmou que é preciso encontrar um meio de se reduzir a um mínimo de tempo a espera dos viajantes nos aeroportos. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) já está fazendo um estudo da capacidade dos aeroportos, e todas quintas-feiras o Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA) discute os problemas do setor, em busca de soluções.

O governo quer que seja ampliada a colaboração entre as áreas do governo e as empresas, com vista a uma revisão do planejamento da infra-estrutura aeroportuária e do reescalonamento dos vôos. Essa revisão inclui avaliação da capacidade do pátio dos aeroportos, do número disponível de fingers (túnel de embarque e desembarque), caminhões de combustível, escadas e outros equipamentos. Setores do governo, principalmente a Aeronáutica, defendem a redistribuição dos horários dos vôos para tornar mais fluente o movimento de decolagens e pousos, já que a capacidade dos aeroportos está sendo insuficiente – tanto em relação à infra-estrutura quanto ao tráfego aéreo.

Na reunião desta quinta-feira (5), o ministro Waldir Pires disse que é necessário ampliar o que o governo está chamando de "decisão colaborativa", que vem a ser o entendimento entre empresas e governo.