Brasília (AE) – O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, confirmou que o governo federal vai pedir desconto ?de pelo menos 10%?, em relação à tabela oficial, às empreiteiras que farão as obras sem licitação da operação tapa-buracos em 7.400 quilômetros de rodovias federais. No total, o programa emergencial de recuperação das rodovias deverá restaurar cerca de 26.500 quilômetros de estradas federais em 25 estados. Nascimento falou aos jornalistas ao sair do ministério para o Palácio do Planalto, onde se reuniu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dirigentes regionais do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte) para tratar do programa de recuperação das rodovias.

O ministro confirmou que um dos critérios para escolha das empreiteiras que realizarão as obras do plano emergencial de recuperação de rodovias sem licitação será a proximidade física do local das obras. ?Daremos preferência às empresas mais próximas aos trechos para que os trabalhos comecem imediatamente?, afirmou. Dos 26,5 mil quilômetros em que o governo realizará obras emergenciais, em cerca de 7,4 mil quilômetros, que estão em situação mais precária, será dispensada a licitação. Nascimento disse que a Petrobras terá condições de fornecer o asfalto necessário à execução das obras. ?Já tivemos uma reunião com a Petrobras. Já há uma programação para o fornecimento?, afirmou.

Eleitoreiro

O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, disse que ?é bem provável? que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visite alguns canteiros de obras incluídas no programa emergencial de recuperação de rodovias federais, que será iniciado na próxima segunda-feira. Nascimento disse que vai convidar o presidente para fazer visitas a obras do programa. Ele próprio pretende visitar obras em todos os 25 estados abrangidos pelo programa. Já na próxima segunda-feira, Nascimento deverá inspecionar estradas em Goiás e no Distrito Federal. Na terça-feira, ele irá à Bahia e, na quarta-feira, a Minas Gerais.