São Paulo – O governo começa a isolar nesta semana a área onde podem estar enterrados os guerrilheiros executados pelo Exército na região do Araguaia. O secretário nacional dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, já visitou o local e vai contar com a ajuda de soldados que combateram a guerrilha do PC do B no sul do Pará e norte de Tocantins na primeira metade da década de 70. Relatos de militares publicados pela revista Época mostram como o Exército exterminou os combatentes da guerrilha após sua estrutura ser destruída, no Natal de 1973. De acordo com os soldados, após capturados na mata, maltrapilhos e passando fome, os guerrilheiros eram executados e enterrados na base militar, nos arredores de Xambioá (TO).