Rio – O ministro da Saúde, Humberto Costa, garantiu que o abastecimento de anti-retrovirais está normalizado. Mas o Grupo Pela Vidda, ong que luta contra a aids e a discriminação, recebeu em um dia mais de 30 e-mails relatando casos de portadores do HIV que não conseguiram receber via SUS, todas as doses prescritas nas receitas médicas. O problema estaria acontecendo nos últimos dias. O Ministério da Saúde afirmou que na semana passada foi entregue no Rio um carregamento dos medicamentos em falta – Lamivudina e Atazanavir – suficiente para abastecer os postos de saúde por dois meses e meio. Depois desse período, segundo o ministério, os laboratórios oficiais já estarão fornecendo a lamivudina em quantidade suficiente para suprir a demanda. No caso do atazanavir, um outro lote importado chegará em maio.