Brasília

– Em mais um embate na Justiça Eleitoral, o candidato José Serra (PSDB-PMDB), obteve duas vitórias contra seu adversário Ciro Gomes (PPS). O ministro auxiliar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), José Gerardo Grossi, negou liminar pedida pelo candidato da Frente Trabalhista (PPS-PDT-PTB) para evitar que Serra veiculasse imagens dele no programa eleitoral tucano. No mérito desse recurso, que ainda não foi julgado pelo TSE, Ciro quer direito de resposta no programa de seu oponente, que vem veiculando que é inverídica a informação de que o candidato da Frente Trabalhista estudou a vida inteira em escola pública.

Em outra decisão, Gerardo Grossi concedeu liminar a Serra determinando que a equipe de Ciro Gomes não repita mais as imagens iniciais do seu programa na televisão, exibido logo após o programa do tucano. Ciro Gomes sempre se apresenta após o programa de Serra e, desde sábado, é veiculada a seguinte frase na abertura: ?Os golpes baixos acabam aqui?. Com a decisão do TSE, Ciro terá que modificar o início de seus programas

O ministro auxiliar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Caputo Bastos, também negou o pedido de direito de resposta formulado por Ciro Gomes, no horário eleitoral gratuito de José Serra, por este ter veiculado uma entrevista a uma rádio de Salvador em que Ciro chamava um ouvinte de burro. No entanto, o ministro impôs uma punição a Serra. Por considerar a edição da entrevista uma prática desleal, já que foi veiculada apenas a resposta de Ciro, sem contextualizar a pergunta do ouvinte, o ministro decidiu que será somado todo o tempo em que esse trecho foi exibido (do dia 20 de agosto até ontem) e descontado, em dobro, do próximo programa eleitoral de Serra na TV e no rádio.

O despacho do ministro foi divulgado na tarde de ontemsta segunda-feira. Ele analisou o mérito do pedido de resposta formulado por Ciro Gomes. Caputo Bastos já havia concedido liminar favorável a Ciro na semana passada, proibindo Serra de exibir a imagem e a voz de seu adversário nos programas. O ministro do TSE determinou à Rede Minas que identifique todos os blocos ou inserções da propaganda em que a entrevista de Ciro foi veiculada no programa de Serra. A Rede Minas é responsável pela geração da propaganda gratuita no Brasil inteiro. Os advogados de Ciro ainda podem tentar recorrer ao pleno do TSE.

O advogado Eduardo Alckmin, representante da coligação de Serra, informou que vai recorrer ao TSE contra decisão que determinou perda de tempo no horário do candidato. Ele vai ajuizar um agravo regimental pedindo ao plenário do TSE a reformulação da decisão do ministro Caputo Bastos e uma liminar para evitar a perda imediata do tempo. No agravo, o advogado vai argumentar que, como Caputo reconheceu, a cena levada ao ar é verídica.