O corpo do ator, compositor e escritor Mário Lago foi enterrado ontem, no cemitério São João Batista, em Botafogo. Ele tinha 90 anos e morreu em casa, na noite de quinta-feira, de insuficiência respiratória, provocada por enfisema pulmonar. Durante o enterro e o velório, no Teatro João Caetano, fãs, amigos e familiares cantaram grandes sucessos de Lago como “Amélia” e “Aurora”, acompanhados pela Velha Guarda da Mangueira, escola de samba do compositor.

Um de seus fillhos, Mário, definiu a homenagem ao pai “como uma consagração.” O corpo de Mário Lago chegou ao cemitério em um carro do Corpo de Bombeiros e foi recebido com aplausos por mais de 300 pessoas que compareceram ao São João Batista. O caixão com o corpo do ator estava coberto pelas bandeiras do PT, do Partido Comunista e do Fluminense Futebol Club.”Ele nos deixa no momento em que mais precisamos dele, mas o seu legado é essa experiência que ele nos deixa para aplicarmos em nossas vidas. Ele era um brasileiro completo, como intelectual, artista e militante político “, disse a governadora do RJ, Benedita da Silva.

Artistas e políticos levarão adiante o projeto de fazer um show em homenagem a Mário Lago. O evento servirá também para arrecadar recursos para ajudar nas despesas médicas do ator, que morreu acumulando dívida superior a R$ 30 mil com seu tratamento. No próximo dia 12, o ator receberia da Assembléia Legislativa o título de Cidadão Benemérito do Estado do Rio de Janeiro.