Um hospital da cidade mineira de Bom Despacho, a 160 km de Belo Horizonte, foi condenado a pagar R$ 20 mil de indenização à paciente Alvarina Maria Alves. A mulher carregou no seu corpo, por dez anos, uma agulha e um fio cirúrgico, esquecidos após ter se submetido a uma operação.

Durante todo esse período, Alvarina conviveu com fortes dores abdominais, além de ter enfrentado problemas de cicatrização. O hospital alega que o corpo estranho encontrado no organismo da dona de casa é de uma cirurgia posterior.