As declarações de imposto de renda, referentes aos anos de 2003 a 2006, do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e de seu irmão, deputado Olavo Calheiros (PMDB-AL) revelam que os dois políticos são verdadeiros homens de negócios que costumam transacionar entre si em uma simbiose que pode causar confusão nos desavisados. Obtidas pelo jornal "O Estado de S. Paulo", as declarações demonstram que, quando se trata de adquirir patrimônio, os dois são a mesma entidade.

Rica em símbolos, a irmandade já levou o patrimônio de Olavo a crescer de forma espetacular. Na declaração de renda de 1987, Olavo tinha duas salas comerciais, uma perua Hilux e 2254 cabeças de gado. Tudo que ele tinha sob a lupa do leão da Receita era um patrimônio de R$ 51 mil. Mas a vida política foi generosa com o irmão de Renan. Seu patrimônio explodiu, mesmo levando em conta que os valores dos bens declarados estão mais para uma pechincha do que para a realidade do mercado. Em uma soma conservadora, o deputado declarou que, no ano de 2006, acumulou uma fortuna de R$ 3.995. 906,00.

O sucesso de Renan é equivalente. O presidente do Senado comprou também a fazenda "Alagoas" de seu amigo Tito Uchoa – apontado como a parte visível de muitos negócios alagoanos – a fazenda "Alagoas", de 518 hectares, fica no município de Flexeira. O ano de 2004 foi um ano de grandes aquisições e vendas do senador Renan Calheiros. Vendeu uma casa no abastado Lago Sul, em Brasília, por R$ 600 mil e comprou com apetite e ambição. Além da fazenda "Alagoas" do amigo Uchoa, comprou uma casa na barra de São Miguel por R$ 300 mil. Pelas declarações de renda fica a impressão que, ao lado de Olavo, o presidente do Senado é mesmo um imbatível empreendedor. Até mesmo do lobista Cláudio Gontijo recebeu R$ 30 mil, pagos pela venda do Flat Alvorada, em Brasília.