O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de São Paulo vai apurar a participação de beneficiários da reforma agrária no ataque aos novos assentados do Assentamento Bela Vista, em Araraquara, ocorrido no último domingo. Na ocasião, um grupo de assentados que tinha sido excluído do assentamento por ter arrendado as terras para o cultivo de cana, invadiu a área e ateou fogo aos barracos dos novos ocupantes.

No confronto, um carro foi incendiado e pelo menos dez pessoas ficaram feridas. Outros assentados do Bela Vista teriam apoiado a ação dos invasores. De acordo com o Incra, se a participação ficar comprovada, eles podem ser excluídos do programa da reforma agrária e também perderão os lotes. O instituto vai requisitar os registros das polícias Militar e Ambiental que estiveram no local para controlar o tumulto.

A PM continuava patrulhando a área ontem, mas não houve novos incidentes. O Incra pediu à justiça a exclusão de 12 famílias, porque praticavam a monocultura por meio de arrendamento dos lotes, considerados terras públicas, para produtores de cana, o que não é permitido pelo Estatuto da Terra. De acordo com o instituto, além de prejudicar a diversidade de culturas antes mantida no assentamento, a exploração da cana se estendeu à área de reserva legal, que deveria ser preservada.