O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será aplicado em 26 de agosto, recebeu 174.235 inscrições a menos neste ano, uma queda de 4,8% em relação a 2006. O número de inscritos ficou em 3.568.592, ante o recorde de 3.742.827 registrado no ano passado. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo processo, a queda se deu nas inscrições de alunos que ainda estão no ensino médio.

Em 2006, 1.825.080 alunos de colégio se inscreveram, número 21,3% menor que neste ano. Segundo o Inep, uma das causas é a redução no número de alunos matriculados no ensino médio. Esse índice caiu quase 3% entre 2004 e 2006, segundo o senso escolar do Ministério da Educação (MEC). Manuel Forero, diretor da diretoria de avaliação para certificação de competências do Inep/MEC, aponta também como hipótese para a queda a mecânica do processo de inscrições. Neste ano, as inscrições pelos Correios ficaram a cargo dos alunos, que tinham de ir até as agências entregar o formulário. Nos anos anteriores, os colégios eram os responsáveis por fazer essa entrega. O preenchimento do cadastro podia ser feito também pela internet.

A implantação em 2005 do Programa Universidade para Todos (ProUni), que concede bolsas de estudo a estudantes de baixa renda em faculdades particulares, foi a grande propulsora do aumento de inscrições para o Enem. A nota no exame é utilizada como critério para a distribuição dos benefícios. Naquele ano, o número de registros subiu para 3.004.491, valor 51,6% maior que em 2004.

São Paulo foi o Estado com maior número de inscritos neste ano, com 1.008.487, seguido por Minas Gerais, que teve 43.5873 inscrições. O Acre aparece como o Estado com o menor número de formulários entregues, com 8.260.