Belo Horizonte

(AE) – O governador de Minas Gerais, Itamar Franco, deve anunciar oficialmente hoje, por meio de nota a ser lida pelo ex-embaixador e assessor para assuntos internacionais José Aparecido de Oliveira, seu desligamento do PMDB e o apoio à candidatura do presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), ao governo estadual. Itamar, que poderia ser candidato apenas à reeleição pelo PMDB – mas sequer compareceu à convenção estadual da sigla, em razão da recusa do vice Newton Cardoso em abrir mão da disputa -, definiu o apoio a Aécio e saída do partido em reunião com o deputado e assessores de ambos, realizada na noite de domingo na casa de José Aparecido, no Rio de Janeiro.

Segundo o ex-embaixador, Itamar, que semana passada anunciou apoio ao candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, já pensava em caminhar ao lado de Aécio no Estado, caso o parlamentar decidisse mesmo ser candidato do PSDB ao governo. Ele e o ex-governador Eduardo Azeredo vinham fazendo um jogo de empurra, ambos preferindo buscar uma vaga no Senado. A formalização do apoio também dependia do governador não conseguir viabilizar a própria tentativa de reeleição, o que se configurou com a convenção do PMDB de Minas, domingo.

A gota d’água para selar o namoro com Aécio, no entanto, veio com o discurso de Newton, durante o encontro dos peemedebistas em que confirmou a candidatura. “O vice-governador fez agressões a Itamar, foi provocativo e desrespeitoso”, disse José Aparecido. No discurso, Newton disse, em clara referência ao governador, que anunciara sua intenção de não ir à convenção, de não apoiar o vice, que “os fracos se foram, os traidores saltaram do barco e os divisionistas estão do lado de fora. Também criticou a gestão de Itamar, ao afirmar que “até as armas mais poderosas de nada valem quando nas mãos de um fraco e até os recursos financeiros mais amplos são insuficientes, quando entregues a um mau administrador”.

De acordo com José Aparecido, na nota a ser lida hoje Itamar vai lembrar que foi fundador do antigo MDB e, posteriormente, do PMDB, legenda que irá deixar. Também irá dizer que sempre defendeu o bem comum e a ética e, assim como não cedeu em seus princípios durante o regime militar, não cederá “à ditadura dos espertos que manipulam” o PMDB, tanto nacionalmente quanto em Minas. Por fim, Itamar deverá convidar os mineiros a construírem um novo Estado, administrado pelo deputado federal Aécio Neves. José Aparecido informou ainda que, na reunião realizada no Rio, Aécio aceitou o desafio. “Ele decidiu candidatar-se ao governo com o apoio de Itamar”, ressaltou.