O governador de Rondônia, Ivo Cassol (sem partido), entrou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para obter o julgamento de recurso especial no processo de cassação do seu mandato por suposto abuso de poder econômico e compra de votos. O agravo de instrumento foi distribuído ao ministro Caputo Bastos, relator do recurso contra expedição de diploma ajuizado contra Cassol.

O recurso especial teve o seguimento negado pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE/RO). A ação de investigação judicial contra o governador Ivo Cassol foi proposta pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). Além do governador, reeleito no ano passado, o MPE denunciou o candidato eleito para o Senado, Expedito Júnior (PR), e os suplentes de deputado federal, Valdelise Martins dos Santos (PPS), e de deputado estadual, José Antônio Gonçalves Ferreira (PSDC).

Os candidatos teriam contratado os funcionários de uma empresa de propriedade do irmão do então candidato Expedito Júnior, às vésperas do primeiro turno das eleições de 2006, para trabalhar como "formiguinhas" (nome dado aos cabos eleitorais em Rondônia). O Ministério Público acabou pedindo a cassação do diploma do governador reeleito Ivo Cassol.