Em sua primeira entrevista coletiva, o novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que promoverá uma reestruturação no Ministério da Defesa, como parte do enfrentamento da crise aérea e tem carta branca do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para fazer trocas no segundo escalão do ministério, incluindo a Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), caso seja necessário. Mas afirmou que fará "um levantamento da situação" na quinta-feira, quando receberá o cargo de Waldir Pires, e tomará a decisão até o fim de semana.

Jobim disse que as suas ações serão divididas em duas partes. Primeiro, visando o que já ocorreu, e segundo, analisando o que precisa ser feito para reestruturação do Ministério da Defesa. Segundo ele, há a avaliação do governo de que existem "disparidades de ações" entre os órgãos do setor aéreo. "Estamos com problema de comando e agora vai ter (comando)", afirmou o novo ministro.

Ele informou também que irá a São Paulo na sexta-feira pela manhã, quando visitará o Aeroporto de Congonhas e terá encontros com o governador do Estado, José Serra (PSDB), e com o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (DEM). Jobim disse ainda que telefonou ontem à noite para Serra agendando o encontro. Segundo Jobim, uma definição para a cidade de São Paulo passa por esses encontros.