Brasília – O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, afirmou ontem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não desrespeita a lei eleitoral ao pedir votos para a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT). “O presidente está absolutamente dentro da legalidade. Todos os governadores e governadoras fazem campanha eleitoral, inauguram obras e pedem votos. Não há restrição legal”, disse Dirceu.

O ministro fez referência à participação de Lula na inauguração do prolongamento da Avenida Radial Leste, obra da Prefeitura com recursos da União, no sábado. Lula também autorizou que trechos do discurso que fez na inauguração fossem usados no horário do programa eleitoral do PT de São Paulo. Se Dirceu saiu em defesa de Lula, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, assumiu posição oposta. Ele disse ontem que o Ministério Público deveria tomar providências a respeito da participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na inauguração do prolongamento da Radial Leste, ocorrida no final de semana em São Paulo, e das suspeitas de um acordo financeiro entre PT e PTB.

“Cabe ao Ministério Público representar no caso de ilícitos eleitorais e a OAB vê com preocupação o clamor público causado não só pelas notícias da participação do presidente Lula na inauguração como também na anunciada negociata (entre PTB e PT)”, afirmou Busato. “O MP deve promover em ambos os casos investigação”, disse.

Já o presidente do PT, José Genoino, disse que Lula não deverá mais participar da campanha de primeiro turno de petistas candidatos a prefeito. No próximo sábado, Lula vai ao Rio de Janeiro para prestigiar um programa de alfabetização. Lá, o candidato petista Jorge Bittar está muito mal nas pesquisas sobre a preferência dos eleitores. O PFL levanta a suspeita de que o presidente possa repetir o gesto de São Paulo e Recife e pedir votos para Bittar, o que poderia atrapalhar a tranqüila campanha de Cesar Maia à reeleição. Mas, de acordo com Genoino, nada foi combinado com Lula. “Não tem nada agendado. Não temos nenhuma programação que inclua o presidente”, disse ele.