Rio – O ex-presidente do BNDES Carlos Lessa anunciou ontem que aceitou convite do PMDB para ser o coordenador do programa de governo do partido para as eleições presidenciais de 2006. ?Fui convidado ontem (13) e não tive dúvidas em aceitar, porque penso em projetos de construção do Brasil 24 horas por dia?, afirmou o economista. ?Eu sou um eterno candidato a cargo nenhum, e na verdade o que estarei fazendo não é muito diferente do que eu já fiz na campanha do Ulysses (Guimarães, que foi presidente do PMDB e candidato a presidente em 1989, morto em 1992), só que agora já conheço mais algumas coisas, para não cometer os mesmos erros.?

O economista disse que o programa de governo que vai coordenar será ?trabalhista, nacionalista e populista?. ?A inspiração é claramente getulista, e não me preocupo com a conotação pejorativa do termo populista, porque essa conotação, na minha opinião, é acrítica?, afirmou. O professor também defendeu que a geração de empregos será o ponto número um do programa que vai elaborar e criticou a administração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sem mencioná-lo. ?O atual governo não está cumprindo, infelizmente, essa vocação de gerar empregos, porque sua política macroeconômica é voltada para as elites. O que precisamos para poder gerar empregos é atrair investimentos para o Brasil, e, com os juros nas alturas em que estão, isso é impossível.?

Lessa participou ontem do lançamento do livro A Recuperação da indústria naval – A realização de um sonho, do secretário de Governo e Coordenação e ex-governador do Rio Anthony Garotinho. Em evento que, cheio de políticos, ganhou jeito de lançamento da candidatura de Garotinho a presidente.