O líder do PSDB no Senado, senador Arthur Virgílio (AM), anunciou que vai requerer a convocação do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, para que explique à Comissão de Relações Exteriores os procedimentos do governo brasileiro ao relação aos dois pugilistas cubanos que desertaram durante os Jogos Pan-Americanos no Rio e foram presos e deportados para Cuba. O DEM (ex-PFL) afirma que a Polícia Federal brasileira, ao deter os dois atletas, agiu como "um prolongamento da Polícia Política da ditadura de Fidel Castro", de Cuba.

Também o presidente da Comissão de Relações Exteriores, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), anunciou que, na sessão de quinta-feira próxima, apresentará requerimento convocando autoridades do governo brasileiro a explicarem o episódio. Na avaliação de Arthur Virgílio, a atitude do Executivo no episódio foi "um retrocesso" na diplomacia brasileira. Lembrou que a tradição do País é a de receber até pessoas indesejáveis, como o ex-ditador do Paraguai, Alfredo Stroessner, que se exilou no Brasil durante vários anos.