Um dia depois de aumentar o salário das 21.563 pessoas que ocupam função de confiança no governo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou nesta terça-feira (19) a criação de mais 626 cargos comissionados. A decisão de criar os chamados DAS (Direção e Assessoramento Superior) reacende a briga de petistas, aliados e afilhados políticos do Palácio do Planalto por salários que vão de R$ 1,9 mil a R$ 10,4 mil.

Com a medida, a despesa extra da máquina pública será oficialmente de R$ 23,2 milhões por ano. Neste ano, o gasto chegará a R$ 13,5 milhões.

A autorização de Lula para criar os DAS foi publicada de forma camuflada na edição de hoje do Diário Oficial da União. Os novos cargos foram estabelecidos pela Medida Provisória 377 que cria a Secretaria de Planejamento de Longo Prazo, pasta que será ocupada pelo ex-crítico do governo Roberto Mangabeira Unger. Do total de DAS criados, 83 ficarão sob o comando de Unger. O restante para a Sudene e Sudam (140) e para a Secretaria do Patrimônio da União (224).