São Paulo – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem que é contra a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. A declaração foi dada por ele durante a gravação de uma entrevista para a TV Bandeirantes, no Palácio da Alvorada. Lula disse que “reduzir a maioridade penal não reduz o problema da violência”. Esta foi a primeira manifestação pública de Lula sobre a questão, e acontece no momento em que os congressistas estão se movimentando para votar as matérias que tratam do tema.

O presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), dom Geraldo Majella, também disse ser contra a redução da maioridade penal. Segundo ele, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai se mobilizar para que o Congresso Nacional rejeite os projetos que tramitam na Casa propondo a redução da maioridade penal. Existem 58 projetos no Senado e na Câmara que propõem modificações no Estatuto da Criança e do Adolescente.

O presidente da CNBB, Dom Geraldo Majella Agnello, afirmou que a redução da maioridade é uma solução fácil para um problema difícil. Para ele, o que está em jogo é a juventude e, por isso, não adianta pensar só na pena, mas sim discutir formas de prevenção da violência.

Em entrevista à imprensa, Dom Geraldo Majella disse que a violência cometida por menores não é caso só de polícia. Segundo ele, os políticos devem ajudar na criação de oportunidades de lazer e na oferta de educação sadia, voltada para valores. Dom Geraldo Majella destacou ainda que há um conjunto de fatores que deveriam ser objeto de reflexão, inclusive o papel da mídia.