São Paulo (AE) – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje, em São Paulo, que, de forma ?premeditada?, os governantes paulistas abandonaram a escola pública. Lula participou da cerimônia de lançamento do Plano Nacional de Qualificação Profissional, na capital paulista, um evento em que a Petrobras apresentou os 292 jovens aprendizes que foram contratados no Estado pela estatal e empresas integrantes do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp).

De acordo com ele, a prova deste abandono é que, do total de estudantes universitários paulistas, somente 18% estudam nas universidades públicas (de São Paulo, Estadual Paulista e Estadual de Campinas, no interior do Estado), enquanto os 82% restantes estão matriculados em instituições de ensino superior privadas.

Para se contrapor ao governo de São Paulo, que, nos últimos 12 anos foi governado pelo PSDB, Lula afirmou que as instituições de ensino públicas paulistas contam com algo entre 91 mil e 98 mil alunos, enquanto em 14 meses de existência, o Programa Universidade para Todos (Prouni), do governo federal, concedeu 64 mil bolsas no Estado. ?Fizemos isso porque não tem saída. Nenhum país se desenvolveu mantendo a ignorância?, declarou. No mesmo ato, o presidente também criticou a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso por ter decidido, em 1998, retirar da competência do Ministério da Educação a abertura e manutenção de colégios técnicos. ?Não se pode ter apenas o faxineiro e o engenheiro. Ter acesso ao curso profissionalizante é a substituição da universidade que muitos jovens podem ter?, disse, para justificar a decisão em revogar a legislação anterior e ordenar a construção de 32 estabelecimentos públicos de ensino técnico em todo o País.