O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta sexta-feira (25) o fim da intolerância no mundo e afirmou que neste ano o Brasil fará um grande mutirão para atualizar seu programa de direitos humanos. Segundo ele, o debate será relevante para que a sociedade reflita mais sobre esse tema. O presidente participou hoje de uma cerimônia pelo Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. De acordo com ele, eventos como esse são importantes para que não se apague da história mundial tragédias como a do holocausto.

O presidente lembrou a importância que esse debate sobre atualização do programa de direitos humanos tem, no momento em que a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. "Eventos trágicos como o do holocausto não devem ser apagados como não podem ser esquecidas todas as formas de intolerância, especialmente aquelas alçadas às políticas de Estado", disse.

O presidente, que participa pela terceira vez desse evento, argumentou que, ao se lembrar dos grandes erros do passado, se pode apontar soluções diferentes para o futuro. "Se eu pudesse, eu bateria de porta em porta de cada brasileiro para fazer um apelo, pra que todos sejam mais tolerantes e deixem a violência de lado, e com isso construir um país mais pacífico. São com pequenos gestos que podemos acreditar na utopia da paz", disse.